23 janeiro 2009

A alucinação de J.Anhaia

Seo José ligou.
- Fábio, tudo bem?
- Tudo. Tudinho mesmo. E por aí, como vão as férias?
- Pois é... Foi por isso que eu liguei...
Nessa hora, eu imaginei "pronto! Aí vem crônica!" Não deu outra:
- ...lembra da lâmpada que piscava no quarto? Continuou ele.
A pergunta era retórica, claro que eu me lembrava. Virou uma das crônicas mais famosas deste diário e até publicada em livro. Nessa hora, peguei papel e caneta para anotar.
- Só um minuto seo José - e ajeitei a caneta na mão e o papel sobre a mesa - lembro sim! O que acontece? A lâmpada voltou a falar com o senhor?
- Que nada. Mas, sabe aquelas horas em que você vai dormir e fica olhando para o teto?
- Sei não, seo José. Quando eu vou para a cama eu fecho os olhos.
- Pois é... eu também. Mas eu costumo ficar um pouco olhando para o teto antes de dormir. É para esperar o sono chegar, sabe?
- Imagino... Mas e a lâmpada? Transmitiu algum sinal do além?
- Não! Esqueça a lâmpada. Só lembrei dela porque o caso é parecido.
- E qual é a história dessa vez?
- Uma noite, quando eu estava olhando para o teto do quarto, vi o céu todo estrelado, lá mesmo no forro. Eu enxerguei milhões de estrelas, como se fosse uma noite superestrelada.
- O senhor grudou estrelinhas fosforescentes no teto?
- Não, não. Era o céu mesmo. Vi galáxias gigantes no teto do quarto.
- O que o seu médico disse sobre isso?
- Isso não é caso pra médico. É caso para quem entende do espaço. Por isso, eu estou ligando pra você.
- E eu lá sou ufólogo, seo José?
- Não. É que você entendeu o caso da lâmpada. Acho que você pode decifrar esse também.
Pronto, virei analista de fenômenos sobrenaturais do quarto interestelar de J.Anhaia, pensei com meus cadarços. Ele continuou:
- Descobri também que se eu apertar um pouco os olhos com os dedos, o negócio fica ainda mais brilhante.
- Seo José, o senhor está tomando muito remédio?
- Não. Não é remédio, não. Faça isso, aperte o olho também. Você vai ver só que impressionante!
- Pare de apertar a vista, seo José! O senhor vai acabar furando a bola do olho!
- É de leve! Só um pouquinho, até começar a brilhar. Dá para enxergar longe. É a coisa mais linda!
- Às vezes quando a gente coloca carpete em casa, a cola solta uns gazes... - provoquei.
- Não é cola, nada. Eu nem bebo mais antes de dormir. O que será isso, hein?
Para responder uma pergunta tão profunda, precisei parar, ponderar, analisar as variáveis, compor uma equação e responder da maneira mais racional possível:
- Seo José, para ser franco acho que tudo isso não passa de uma continuação do episódio da lâmpada. O teto do seu quarto é simplesmente um portal interestelar com uma maçaneta defeituosa. A maçaneta deve ser a lâmpada, as suas ondas mentais ao tentar dialogar com a dita-cuja devem ter forçado a lingueta, o que arrebentou o fecho e acabou escancarando o portal. Eu sugiro que o senhor pare de apertar os olhos e (como dizia a mãe da menina Caroline) afaste-se da luz. Caso contrário, o senhor poderá parar em outra galáxia ou mesmo em outra dimensão.
Ele deu-se por satisfeito:
- É por isso que eu gosto de conversar com você, Fábio. Você tem sempre uma explicação plausível para tudo!
No dia seguinte quando ele contou a história a uma colega de trabalho, ela retrucou:
- Eu vi no Globo Repórter que enxergar estrelas é desnutrição e problema de pressão.
Ele ficou indignado:
- Eu não acredito nessas histórias mirabolantes que a TV conta!

9 comentários:

Clarice disse...

Maldita concorrência desleal desse pessoal do escritório!
Muito bom!
Abraço.

bruceediana disse...

Ai Jesus! Diz pra mim que esta história é fictícia, diz...{D.}

bruceediana disse...

Gostei da sua explicação para o senhor J.Anhaia, mas não conhecendo sua casa ( a dele, não a sua) me pergunto se não teria sido uma ventania que carregou telahdo e nuvens deixando o céu límpido como telão do planetário!

Um abraço, Bruce, WaldirPC

Fábio Reynol disse...

Waldir the Bruce, não vou dizer que não passou pela minha cabeça que o telhado de J.Anhaia tivesse sido levado pelo vento. É que optei pela mais lógica das explicações. Mas tem gente que prefere as mais estapafúrdias, como o problema de pressão, por exemplo.
Abraços
E...Ana the Diana, a história é real apesar de eu mesmo me perguntar se o seo J. não se materializou a partir de algum conto do Ponte Preta.

Bruce e Diana disse...

Tadinho...acho que é anemia! Quando a gente tem anemia costuma ver bolinhas brancas, sabia?
Ah, qual o primeiro conto da lâmpada? {D.}

Fábio Reynol disse...

O conto da lâmpada é "A assombração de J. Anhaia"
http://diariodatribo.blogspot.com/2008/06/assombrao-de-j-anhanha.html
que também está no livro "O Vendedor de Palavras" (pág.53).
bjs...
Fabio

bruceediana disse...

Realmente uma explicação muito simples.

Abraços, B. Waldir

bruceediana disse...

Página 53? Ã...que merchã hem. Teremos este livro em breve, pode crer. {D.}

Fábio Reynol disse...

Como assim "teremos"? Voces ainda não tem um exemplar do "Vendedor"?!?!? De que planeta vocês vieram? Se me mandar um e-mail, ganha uma dedicatória inteiramente grátis.