29 agosto 2007

Admite

Admite
Fábio Reynol

Lamento admitir, mas o Nelson Rodrigues tem razão, o amor não morre. Nunca. Por mais que o enterremos, o afoguemos, tentemos esfaqueá-lo, esquartejá-lo ou incinerá-lo, ao contrário do frágil ódio, o amor perdura. O amor que foi continua sendo. Mesmo se a decepção, a traição, o rancor, o ciúme, o egoísmo ou a morte tenham destruído um relacionamento, o amor que um dia aconteceu é para sempre.

Podes sentir ciúme dos “ex”s de tua amada. Aqueles que passaram pela vida dela carregam um todo dessa mulher que tu nunca vais ter. Do mesmo modo, as ex-namoradas de teu marido das quais “roubaste” o cargo de esposa, roubaram de ti românticos capítulos da juventude desse homem que jamais terás. Mesmo que hoje ele as odeie, as despreze e nunca mais as veja, um todo de cada uma delas está presente nele. Para sempre.

Quem pode roubar de nós o primeiro beijo roubado? O primeiro é o primeiro. Se tu não foste o autor do primeiro, tu serás, no máximo, o primeiro de língua, o primeiro na padaria, o primeiro com aparelho nos dentes... O primeiro mesmo, meu caro, já foi e dela ninguém tira. Admite.

Admite o quão verdadeiros foram as confissões babacas ao pé-do-ouvido, as primeiras flores recebidas, as fugas e desculpas para ver o “grande amor da minha vida”, o beijo flagrado naquela tarde embaixo da mangueira e que só foi o que foi porque teve um beijo, um abelhudo e uma mangueira que jamais voltarão. Não precisam. São eternos. Ainda que o amado tenha sumido, o abelhudo, morrido e a mangueira, sido cortada.

Admite que teu amado de hoje foi aprimorado pelas outras mulheres que ele amou. Que as flores que recebes hoje são filhas do primeiro buquê que ele comprou cujo perfume ainda está nele. Admite que a paciência dele com tua TPM foi conquistada por outra menina que não contou com a mesma complacência. Que as delicadezas que ele hoje tem contigo não vieram das conversas com os amigos, mas de aulas práticas ministradas por almas do sexo feminino.

Admite que tua mulher não virou mulher em teus braços e que nem por isso é menos encantadora do que aquela primeira que te fez homem. Aceite o fato de que o olhar carinhoso que hoje te derrete foi ensaiado em outros rapazes e que os beijos que agora recebes são jóias lapidadas por outras bocas. Graças a elas, não recebeste um diamante bruto.

Admite que teu amado não é teu. Há nele algo tão “ele” que jamais terás, feito de partes que outras tiveram, feito de um todo que também levarás.

Admite que tua amada não é tua. Há nela um Bruno, um Carlos, um Luís tão dela quanto ela mesma. Amores verdadeiramente amados que nunca morrerão e que a fazem ser quem é, que fazem todos ser quem são.

Admitir isso é o começo do amor.

23 comentários:

heloisa disse...

Linda! Criativa e uma delícia de deslizar os olhos e ler com o coração. Parabéns!
abs
Helô

Paulo disse...

Sr Reynol, esta está realmente sublime!!! Muito bonita e verdadeira!!!! E se completa na última frase! valeu

paulo

Vinicius Cabral disse...

O texto é ótimo, mas tenho que discordar...

Dependendo da situação, morre sim...

Mas... como eu disse... depende...

Abraço!

Júlio disse...

Encontrei seu blog por acaso, um feliz acaso. Parabéns pelo texto. Muito bonito!

Fátima disse...

Olá, Fábio
Admito e pronto, quero dizer, ponto. Tudo isso porque não sofro de "verborragia diarréica" escrita! Mas da falada, meu caro, pior do que eu só minha mãe, meu avô já falecido e antepassados contadores de "causos".
Hilária sua crônica "O Vendedor de Palavras". Atrasadinha, não é? Linkando sem parar, estacionei, via Aletria. Bom encontrar mais um defensor do Saci.
Estou pedindo autorização para publicar seus textos em meu blog.
Amanhã já levo o Vendedor... para minhas aulas. Sei que vou precisar parar a leitura algumas vezes, não vou resistir, adoro rir!
Abraços.

pessoana disse...

Admito que amo! Vim aqui parar por um trajecto complicado: sou de Portugal, estou em Bruxelas, tenho uma amiga na Alemanha que descobriu o teu texto "O vendedor de palavras" e eu comprei!:-) Sugiro qualquer coisa como um intercâmbio Portugal-Brasil! Passa pela minha morada! Eu vou continuar a passar por aqui!

Anônimo disse...

unhumm... pois é... tive de admitir td isso aí, há mais ou menos 24h. Abr
Marla Oliviera

Ive Brunelli disse...

Fabio, meu querido, esse seu texto é de um lirismo apurado, sem exageros nem faltas, sem demagogias ou panfletismos. ADOREI! Parabéns. Abraço do Ive

Márcio Corcini disse...

O texto ficou excelente...
Vlw fábio!

Odnanref disse...

Parabéns!
Você é tão bom que fico à abrir seu Blog todos os dias achando que já vou encontrar as novidades. Aí falo pra mim... Calma rapaz, você já vai ficar bonzinho, mes que vem já vem.
Grande Abraço, Fernando Uchôa.

Rita Vital disse...

Fábio!!!!!!!!!!
Lí e me maravilhei com seus textos...
Pude conhecer mais...muito mais de vc!!
Parabéns e não se esqueça do que já conversamos:" VIRTUDE É PODER!"
Felicidaes e continue ampliando suas virtudes!
Um beijo
Rita VItal

Rita Vital disse...

Fábio!!!!!!!!!!
Lí e me maravilhei com seus textos...
Pude conhecer mais...muito mais de vc!!
Parabéns e não se esqueça do que já conversamos:" VIRTUDE É PODER!"
Felicidaes e continue ampliando suas virtudes!
Um beijo
Rita VItal

João Batista disse...

Hoje,10 de setembro de 08,teu texto foi posto em prática.
Enviei como um presente para um casal de amigos que tendo chegado ao fim suas relações anteriores(não ao mesmo tempo é claro)estão iniciando uma "nova"relação,..agora entre eles.
Parabéns Crys e Jal,admitam e felicidades,..um grande abraço do amigo Jão.
(ps:Me permita novamente Fábio)
Obrigado!

Ana Claudia Crispim disse...

Ai...adorei. De verdade.
Acho que não vou mais escrever no meu blog, vou só publicar os teus textos! {D.}

Rita Vital disse...

Olá Fábio....adorei o texto..entrei no túnel do tempo e...me lembrei do meu primeiro beijo( roubado!)...e da reflexão de que o amor é eterno!
bjs para vc..adoro seus escrito..sou fã incondicional!

O BLOG DA RUBRO NEGRA disse...

Fábio,as verdades são ditas com tanto carinho ,que temos que aceitar,até porque nunca pensamos nessa possibilidade.
Muito bom!!!!!
Mais uma vez ,parabéns!!!!
Abraços rubro negros!!!!

Amanda Moraes disse...

Ai meu Deus! Assim você me mata!
Essa sua indicação foi realmente pra mim... juro! Claro que, provavelmente, 7 entre 10 pessoas se identificam com esse texto... afinal,
who has not had a great love?
E é bem verdade que ele não morre... no máximo, se transforma.

Muito bom.
Meu coração agradece... mais uma vez.

Taís Gomes disse...

Olá Fábio! Amei seu blog, em especial esse texto que tem um significado tão profundo! Vou furtá-lo rs para o meu blog (taisgomes.blog.terra.com.br), mas darei seu crédito, sem dúvida!! Bjs e Parabéns!!!

Patrícia disse...

Fábio,
Peguei um pouco desse meu raro tempo de mãe novata para ler seu blog. SENSACIONAL!!! Amigo, que orgulho de você!!!!! Tomara que você consiga presentear o mundo todo com suas sábias - e deliciosas - palavras. Êta talento para transformar o que pensamos em belas frases.
Parabéns!!!!
Bjo grande!

André Santos disse...

Fábio,
Excelente, e pelo visto o alto nível de excelência lhe é peculiar! Parabéns, é mais um texto daqueles que refletem o que está nas nossas vidas, e que fazem a vida valer a pena!
Parabéns!

Tico e Teco da Jane disse...

Para com isso, Fábio!!
Principalmente se for casado... para com isso!!! Tentaçao!!
kkkkk
Muito bom o texto... vc precisa fazer umas palestras sobre relacionamentos... ta tudo aí, espero que não seja só teoria.
Triste por conhecer seu blog só hoje!

PATRICIA disse...

acessei por acaso para encontrar no manual de sobrevivencia das mulheres e resolvi ler ADMITE, parabens o texto se encaixa na vida de qualquer pessoa sensata e que queira entender a relaçao que vive hoje parabens.

marianalagarcia disse...

Parabéns, sr. Fábio! Adorei o texto!