25 maio 2007

O autógrafo

Esta foi feita sob encomenda para o Dia Internacional do Administrador de Pessoal. É isso mesmo. Esse cara tem um dia só pra ele, 03 de junho, e ainda por cima é internacional. Parabéns para o cara e pro pessoal que ele administra.

O Autógrafo

Como todos os dias depois do expediente, ele atravessou a rua e entrou na padaria da esquina. Enquanto esperava na fila da mortadela, um garoto de mais ou menos oito anos, com cara de bolacha, caderno e caneta na mão ficou encarando-o.
- O que foi? Disse incomodado.
- O que o senhor faz, hein? Perguntou o guri.
- Eu sou administrador de pessoal
- Ah! O senhor meio que... administra o pessoal, né?
- É.
- E o pessoal gosta de ser administrado pelo senhor?
- O que você quer, menino?
- Um autógrafo. É para a gincana lá da escola.
- Me dá aqui logo o seu caderno que eu autografo.
- Desculpe, mas a pessoa precisa ter alguma profissão importante. É regra da gincana.
- Tá dizendo que administração de pessoal não é importante?
- Eu nunca ouvi ninguém importante dizendo que é administrador de pessoal.
- Mas tem muito administrador de pessoal importante.
- Qual?
- Ora, você não conhece!
- Tá legal. Vou pegar o autógrafo do meu vizinho. Disse o garoto já virando de costas.
- Hei, volte aqui. O que esse cara faz?
- Ele é presidente da escola de samba do bairro.
- Eu faço a mesma coisa que ele, só que com muito mais gente.
- O senhor é sambista, é?
- Não, mas o trabalho é muito parecido. Eu sou o responsável por todos os integrantes. Contrato e mando embora todos, desde os da comissão de frente até o último carro alegórico.
- Só isso?
- Eu também organizo todos os ensaios, determino as fantasias e digo quando um baterista vira mestre de bateria.
- O senhor também sai com as passistas que nem o meu vizinho?
- Não! Eu até proíbo todo mundo de sair com as passistas no horário de trabalho.
- O senhor tem uma profissão muito esquisita.
- Qual é, garoto? Sem mim, ninguém trabalha em lugar nenhum! Dá aqui o seu caderno que eu autografo.
- Sei não...
- O que é isso? Eu sou muito importante lá na empresa. Todo mundo que quiser um aumento por lá tem que pedir a minha autorização. A minha assinatura vale ouro.
- Tá bom. – disse o menino abrindo o caderno ainda com cara de não conformado – Mas assine embaixo da folha porque em cima eu vou ter que fazer uma redação sobre a sua profissão.
- Tá legal, me dá o caderno logo...
Chegando em casa, o garoto jogou o caderno na mesa de jantar na frente do pai :
- Pronto, pai. Tá aqui a assinatura daquele cara que há cinco anos não te dá aumento. Agora eu quero a minha bicicleta nova!

4 comentários:

Regis Caserta disse...

Olá Fábio, bom dia!

Somos fãs de seus textos e estamos te publicando, além de menter o link desta sua página.

Visite: http://www.litereart.org.br

GRAVETOS & BERLOTAS disse...

Mais uma vez, Fábio, genial!
Abraços,
Edson d'Aquino

Fábio Reynol disse...

Obrigado Regis e Edson, um abraço! Fabio

Márcio Corcini disse...

Excelente esta crônica!